A telepresença é uma tecnologia que permite a sensação de presença de alguém que esta distante através de estímulos ao sentido dos usuários. Imagem, posição, movimentos, ações e sons são transmitidos para um lugar diferente de onde estão. É comum que as informações viajem nos dois sentidos, então ambos as pessoas que conversam podem ter a sensação de presença.

A telepresença pode funcionar em diferentes graus de imersão dos usuários, isso depende de uma série de fatores que vão de qualidade da tecnologia de transmissão até o que está sendo transmitido (uma tv pode, às vezes, funcionar como um transmissor de telepresença em apenas uma das direções, como em alguns casos de  programas ao vivo, ou mesmo um celular). Mas ainda não é possível experimentar uma confusão com a realidade, ou seja, ainda não existe uma tecnologia suficientemente convincente em que o usuário não saiba se está na presença real de alguém ou numa presença simulada.

A telepresença e realidade virtual não são a mesma coisa, apesar de diversas similaridades. O principal ponto de diferença é que a realidade virtual na maioria das vezes dá a sensação de um ambiente virtual, enquanto a telepresença tenta só reproduzir um ambiente real.

No texto Performance em tele-presença. O corpo em telepresença a professora Maria Beatriz de Medeiros pretende entender como um corpo ausente pode efetivamente participar de uma comunicação e principalmente quais seriam os efeitos de uma performance por telepresença. Mas é a primeira parte de seu trabalho que mais nos interessa nessa discussão. Para ela “a experiência corporal em telepresença, por não permitir o tato, é incompleta, o olfato é, ainda, inexistente. De fato, a experiência da presença espectral é apenas fantasmal, imagem de baixa qualidade sem carne, sem a possibilidade de secreções e contaminações.”

Ela considera que a telepresença existe porque hoje vivemos com medo do mundo real. Temos medo de nos relacionar na presença corporal já que somos constantemente confrontados com falsos corpos ideais de ídolos e de estrelas. Isso faz com que tenhamos medo de mostrar nosso corpos flácidos e verdadeiros. E a telepresença surge como uma ferramenta que possibilita a relação sem o corpo.

Bibliografia:

http://www.corpos.org/papers/corporificacao.html#_ftn1